Deixar a experiência ser como é

Quando adotei o meu primeiro gato, eu queria colocar o nome de Bourdieu, inspirada no sociólogo francês. Na época, eu estava fazendo um curso chamado Estado, Poder e Política, que exigia leitura de autores que eu tinha pouco contato anteriormente.

Esperei alguns dias para conhecer mais a personalidade do gato. Somente depois de experienciar, ele ganharia um novo nome. Carlos Nelson! Inspirado em um filosofo político, ensaísta, tradutor, professor da Escola de Serviço Social da UFRJ. Bem mais apropriado para sua personalidade.

Porque comecei esse post com essa história. Nem sempre o que quero inicialmente é o que fica. Deixar a experiência ser como é. E está tudo certo.


Para saber mais

Cazela, Mabile Caetano. (2017). Notas sobre a influência de Carlos Nelson Coutinho ao Serviço Social brasileiro. Revista Katálysis20(2), 234-244. https://dx.doi.org/10.1590/1982-02592017v20n2p234

Juliana Reis

Enfermeira, especialista em informação científica, mestre em saúde materno infantil. Tem interesse em Práticas Integrativas, Saberes Tradicionais, Ciência e Arte, visualização de dados, gamificação, translação do conhecimento, ciência de implementação.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: